Vida Real

Vida Bandida

25/08/2016
Capa - vida Bandida - Toda Curitibana

A vida tem dessas de virar a gente de ponta cabeça quando não estamos esperando. Ela tira e dá coisas em proporções completamente diferentes e, quase sempre, estamos tão distraídos (ou se fazendo de besta propositalmente)  que quando vemos temos inúmeros pepinos para colher no quintal que a vida deu de plantar por vontade própria enquanto olhávamos ela passar, assim, completamente hipnotizados. Agosto foi um desses meses. Louco, insano, intenso e cheio de auto-análises de tirar qualquer um – na base da surra- da zona d conforto. E olha, que mês desconfortável. Foi um ou vai ou racha daqueles.

Para ser sincera, eu estava dormindo esse tempo todo em que estive em casa. E quando digo dormindo, não me refiro a literalidade, mas a esse torpor de quando nos acostumamos ao medíocre. Você já se sentiu assim? Mesmo com todo aquele espírito de empreender, eu fui me deixando levar demais e fazer de menos. Mas foi bom, porque vi vários defeitos (de caráter mesmo) que eu insistia em não bater de frente. Porque migas, convenhamos que mudar os hábitos ruins é desconfortável pra car*%$#lho. Só que a vida (e acredito piamente que Deus vai escrevendo nas linhas tortas que fazemos com ela) não deixa barato se você se entrega e deixa o barco correr sem capitão. A vida é bandida amigos e ela revela nossos piores demônios quando estamos acordados.

Foi por isso que parei com o BEDA por algumas semanas. Porque não dá para colocar tanto desabafo em um único lugar. Eu precisei chorar alguns litros de lágrimas, encarar outros milhares de pepinos para poder vir aqui…e acho que é isso que blogar significa no final. Minha vida deu uma virada nas duas últimas semanas e, para ser sincera, nem sei se consegui processar tudo ainda. Pareceu o inferno na terra enquanto estava dentro do furacão, mas juro que agora estou boba com a vida que bagunça sendo a mesma que arruma tudo de forma casadinha e perfeita.

Ainda dói, mas nada muda se não for assim!

BEDA - rodapé

Beleza

Review de Beleza: Caneta para Sobrancelhas, Make B

09/08/2016
Capa - Caneta para Sobrancelha - Toda Curitibana

Ter um bom relacionamento com as sobrancelhas não é uma tarefa das mais fáceis, ainda mais se elas são falhadas. A minha é muito e sei bem como é esse tipo de sofrimento. Por isso, quando vejo qualquer produto que pode preenche-las de alguma forma, lá vou eu querendo testar. Eu já uso aquelas “sombras para sobrancelha” há muito tempo e também passeei um pouco pelo universos dos lápis – que foi meu primeiro amor quando comecei a ser introduzida nesse universo de sobrancelhas bonitas e preenchidas.

Por isso, quando o produto que estava usando acabou, fui atrás de outro produto para a mesma função: preencher o vazio existencial da minha sobrancelha. Como eu tinha acabado de sair da designer e elas estavam perfeitamente desenhadas, achei que era a hora ideal para comprar um preenchedor de sobrancelha, porque a moça não passou nada em cima (amém!). Entre na loja do O Boticário e a vendedora me apresentou dois produtos da linha Make B para sobrancelhas: um é uma “tinta” que você passa em cima para tampar as falhas e a outra foi a Caneta para Sobrancelhas. Na hora, fiquei meio indecisa e não sabia qual atenderia as minhas necessidades, porém por indicação da vendedora acabei levando a caneta.

caneta para sobrancelha - toda curitibana

Quando eu fiz a sobrancelha e passei a caneta – ainda dá pra ver um pouco das falhas | Foto: Camila Rehbein

Eu nunca me dei bem com canetas. Nem na versão delineador – que nunca delinearam nada direito no meu olho – nem em nenhuma outra versão de produtos nesse formato. Porém resolvi dar um crédito de confiança e testar. A ideia da caneta para sobrancelhas é te ajudar na precisão do traço na hora de preencher as falhas e fazer o desenho. Até aí tudo bem, a ponta fininha realmente parecia boa para isso. Só que, de verdade, passei inúmeras vezes para fazer o preenchimento e nada de ficar algo bonito e bem preenchido. Parei de usar logo no primeiro mês e como estava com a franja mais cumprida, larguei mão mesmo (o que significa que até esse mês, minhas sobrancelhas pareciam taturanas no meu rosto kkk). Só que a gente faz aniversário e resolve mudar a vida e nada como uma pequena dose de bom senso para tirar as teias de aranha dos seus produtos de beleza.

caneta para sobrancelha - toda curitibana

Como está minha sobrancelha agora, depois de feita (por mim mesma) e preenchida adequadamente! | Foto: Camila Rehbein

Fiz sozinha a minha sobrancelha (porque a grana está curta aqui em casa e esse é um luxo que estou cortando da lista) e resolvi dar uma segunda chance pra cantinha. Não deu match, migas. A cor ficou clara demais, parecia que tinha feito uma hena mal feita e me achei horrível. Assim, ela é precisa mas para mim não foi nada prática, pois a tinta não sai muito bem e é necessário ficar aplicando mil vezes para ter uma cor que preencha falhas consideráveis e redemoinhos indomáveis (sim, sou dessas que tem pelos com vida própria no corpo).

A sorte é que achei um outro produto que preencheu super bem e com a precisão que eu queria. Infelizmente, não foi dessa vez que as canetinhas viraram minhas melhores amigas na hora da beleza. Fica pra uma próxima, talvez.

BEDA - rodapé

 

Organização

GTD: recomeçando novamente

08/08/2016
capa - GTD - toda curitibana

Há quase um ano, conheci o método de produtividade chamado GTD. Foi uma revelação para mim, já que de organizada eu não tinha nem o nome. Eu vivia num caos completo, tentando loucamente fazer de tudo um pouco e não conseguindo fazer nada. Aliado a isso tinha a minha ansiedade, que quando estava descontrolada ou era alimentada pela sensação de que não estava fazendo nada, só piorava a situação caótica em que tentava levar a vida e trabalhar. Uma das minhas “mentoras online” no assunto e que tem me ajudado com suas postagens sobre organização e GTD é a Thais Godinho, do blog Vida OrganizadaCom ela comecei a ter contato com os métodos desenvolvidos pelo David Allen e como poderia implantar cada passo na minha rotina.

Como falei, isso faz quase um ano e já abandonei o método umas três vezes. Como o David Allen fala, sua vida não ficou desorganizada de um dia para o outro e não é de um dia para o outro que você vai organizar tudo. O fato é que nesse tempo todo, consegui assimilar alguns dos pontos que a Thais fala no blog e o David destrincha minuciosamente em seu livro A arte de fazer acontecer. Porém uma das coisas que percebi é que não basta saber toda a metodologia se você não se policiar no começo para fazer tudo certinho. Eu acredito piamente que ser produtivo, e consequentemente organizado, tem muito a ver com hábitos. Se você não se esforçar e focar nisso por um bom tempo seguido, nada acontece de forma duradoura.

Eu sempre tive um problema: começar inúmeras coisas e não terminar nenhuma. Isso era e é uma coisa que me incomoda muito e com a idade em que estou agora, bem, digamos que esse é um dos maus hábitos que tenho e que preciso modificar. Na realidade existe uma longa lista de coisas que quero fazer antes de chegar aos 30 – e estou tentada a fazer aquele projeto 30 antes dos 30 para me ajudar a ter um foco mais definido, a Nicas faz e eu estou achando maravilhoso.

O fato é que devido a isso, o primeiro item da lista é recomeçar o GTD e ir contando aqui como está sendo essa adaptação novamente. Com a mudança na vida, me sinto um pouco caótica de novo, esquecendo compromissos, priorizando as coisas erradas, enfim…vocês entenderam a crise aqui. Eu sei que esse método é incrível e quando apliquei tudo certinho, realmente vi minha vida mudar, mas estava sem foco e me deixei levar pela vida-engolidora-de-almas e desisti no meio do caminho. David Allen diz que isso precisa ser algo fácil, então vou dar stop em tudo e me reorganizar com o método de novo (ler livro, blog e essas coisas todas). Ainda não sei se as postagens vão ter dia certo (não organizei isso ainda, mas talvez seja o primeiro passo pra dar o start), mas aviso vocês assim que começar! Vai que ajuda alguém, né?

BEDA - rodapé

 

 

Vida Real

Sobre ter 25

05/08/2016
capa - sobre ter 25 - toda curitibana

Chegar aos 25 é uma experiência um pouco surreal. Explico.

Quando completei 20 anos, fiquei muito apavorada por ter que realizar muitas coisas da minha vida, decidir onde iria trabalhar, que rumo iria tomar e o que queria conquistar até chegar aos 30. Na minha concepção, quando chegasse aos 25 já estaria completamente estável, com muita grana na conta do banco e escrevendo em um jornal de sucesso. Já teria viajado para o exterior e estaria com uma bagagem bem avantajada para a minha então idade. Tinha grandes ambições naquela época. Queria glamour e brilhos na minha vida. Porém desde lá, já se passaram 5 anos, e a vida tomou rumos completamente diferentes do que imaginei para mim e atravessar todos esses eles até chegar aos 25 anos foi uma das experiências mais reveladoras que já tive.

Demorei todo esse tempo para começar a descobrir inúmeras coisas sobre mim. Fiz terapia, escrevi um diário, me casei, comecei a empreender e ser minha própria chefe, me descobri na confeitaria e hoje sou uma pessoa que mudou muito a sua visão sobre tudo. Derrubei alguns muros e aos poucos me transformei na mulher que chega aos 25 mais decidida a fazer as coisas do seu jeito, a expor suas regras e segui-las firmemente.

Parei de sonhar sonhos dos outros e comecei a sonhar os meus. Sinto que estou começando a vida aos 25 porque aprendi sobre quem eu sou e hoje não tenho mais dúvidas a esse respeito. Claro, estarei sempre aberta às mudanças e aprendizados, mas acredito estar mais firme para dizer não quando preciso. Percebi que existem responsabilidades que não podem passar despercebidas, pois isso tem consequências a longo prazo. E a vida não é só festa, amigos! Adquiri algumas marcas de expressão que não estavam lá há alguns anos, porém continuo com a alegria dos 17 que deixa qualquer um mais jovem.

Posso não estar com a conta do banco cheia de dinheiro e ter tantos bens materiais como imaginei que teria, mas tenho certezas espirituais e mentais que definitivamente me firmam muito mais. Espero chegar aos 30 com ainda mais certeza sobre quem sou e posso ser.

BEDA - rodapé

Vida Real

Wishlist de Aniversário

04/08/2016
Capa Wishlist de Aniversário - Toda Curitibana

Que rufem os tambores, essa bloguera que vos fala faz 25 anos amanhã e já está animadinha para receber muitas mensagens fofas de todo mundo. Não sou muito de ganhar presente, mas resolvi que quero montar uma wishlist de aniversário porque eu posso tudo nessa época do ano. MUAHAHA. Brincadeiras a parte, resolvi me dar presentes bem mais simbólicos esse ano: como um novo corte de cabelo (que quem leu o post de ontem sabe do que estou falando – se ainda não leu vai lá e volta aqui), que só irei mostrar amanhã e uma renovação espiritual para enfrentar o próximo ano. Mais do que contar anos novos, conto aniversários como novas oportunidades de fazer as coisas diferentes.

Quando era mais nova, imaginada que aos 25 estaria rica e poderosa. Bem… a vida não quis assim, mas estou feliz com o que tenho e ainda mais alegre por estar batalhando as minhas coisas, mesmo que aos poucos, com um homem maravilhoso do meu lado (hehe maridão show que ganhei de presente há 2 anos!). Por isso, essa wishlist vai ser material sim, egocêntrica, mas talvez represente a Camila que está chegando aos 25 anos. Um pouco diferente da que muita gente conheceu um dia, porém cheia de histórias boas pra contar.

Segurem seus forninhos, que lá vem muita coisa bonita e pra casa (porque sou dessas que está até as tampa com a construção e só pensa em decoração!):

Wishlist de Aniversário - Toda Curitibana

número um.

Tenho um lema quando o assunto é decorar a minha casa: ela precisa ter a cara do casal. Ok, essa bandejacórnio tem bem mais a minha cara do que a do meu marido, mas vamos lá…quem resistiria a algo tão lindo? A belezura é feita pela Pâm Moraes, do Studio Pamelitas e estou, sinceramente, querendo levar tudo o que a moça faz. COMO FAZ?

número dois.

Sim, sempre foi e sempre será amo eterno. Queria muito um Keds mais básico, como o azul marinho ou preto. O que eu tenho aqui em casa é de oncinha (sim, oncinha) e já está bem batidinho. Preciso guardar alguns “temers” pra poder levar um pra casa, mas vai que cola e alguém me dá de presente? O nome desse é super chic: Champion Dot Foxing Canvas – porque na lateral tem BO-LI-NHAS. Eu disse bolinhas, meu povo!

número três.

A Flox III da Melissa é um daqueles desejos pra ter em casa e ser bonita passeando por aí. Na lista de investimentos que duram pra vida, definitivamente essa vale muito. Fora o cheirinho. Sem mais delongas, está na lista sim e vai ficar pra sempre até eu conseguir comprar e ser feliz andando por aí com ela! Beijos kkk

número quatro.

Só Deus sabe como estou atrás de uma calça jeans tão bonita e com uma lavagem legal. Por isso, quando vi essa da Amaro logo pensei: – Hum, achei! Vou guardar na listinha pra compras futuras! Mas como amanhã vai ser o meu aniversário e eu posso tudo, ousei sonhar com um presente desses a essas alturas do campeonato. Pode me entregar atrasado, eu deixo!

número cinco.

Queria a milênios um óculos de tartaruga e esse modelo está na lista há séculos. Vai que um dia dá match e compro um?! A esperança é a última que morre kkk

BEDA - rodapé

Estilo

Moodboard de Estilo: mudando por fora o que já mudou por dentro

03/08/2016
Capa - Moodboard de Estilo - Toda Curitibana

Mudar nem sempre é fácil: exige desprendimento, coragem e um pouco de investimento. Nos últimos meses não só a minha vida profissional tem mudado muito, mas sinto que eu mesma já não sou mais a mesma de 3 meses atrás. E o pior é ter que lidar com um guarda-roupa que nem mesmo representa a nova mulher que me tornei em tão pouco tempo. Como consequência, dá uma angústia toda vez que quero me arrumar para sair de casa. Porque não é que não tem roupa no armário, mas elas não dizem nem um pouco quem sou e como estou me sentindo chegando na metade da casa dos 20, tentando empreender, com pouca grana em caixa e contas vindo todo mês.

Quem sabe a vida de gente grande esteja me engolindo mesmo, mas ainda tenho esperança de poder dar a volta por cima e rir na cara das inimigas (a loca kkk). Por isso, nesses momentos de crise fashion/mental vou até o Pinterest e monto meu moodboard de estilo. Percebi que nessas horas você sempre sabe o que quer, só não se tocou ainda. Essa terapia me ajudou muito a perceber alguns pontos que já vinha querendo implementar aos poucos, mas que se perdiam ao visualizar um armário tão descordenado e cheio de peças soltas.

Cabelo - Moodboard de Estilo - Toda Curitibana

Existem duas áreas descontentes no momento: (1) meu cabelo e (2) meu estilo. Separei com calma esses tópicos e fui analisar o que ficava disso tudo e o que precisava mudar para estar de acordo com minha nova eu. Em primeiro lugar, a franja fica. Essa foi a minha descoberta mais óbvia de 2016 e decidi assumir de vez a bendita, porém meu corte de cabelo e a cor esdruxula dele precisam cair fora rapidinho. Estou com um cabelo pra baixo do peito que dá um puta trabalho para ficar bonito e estou tentada a dar uma diminuída básica nele. Vai rolar guerra aqui em casa por causa disso, mas como não estou mais me sentindo bem e sou dona dessa cabeleira toda…vamos correr o risco!

Em segundo lugar: em algum momento louco da minha vida, achei que ficaria linda com o cabelo mais claro. Fiquei quase loira e hoje não aguento mais ver meu cabelo parecendo uma paleta de cores. Porque não satisfeita, passei uma tinta em tom de chocolate que amenizou o amarelão, mas agora me deixa com três cores na cabeça (porque também resolvi não retocar a raiz e meu cabelo é castanho escuro). Me planejando para tacar uma tinta de tonalidade próxima a da cor natural e deixar ele de uma cor só. Ouvi um amém?

Estilo - Moodboard de Estilo - Toda Curitibana

Para finalizar, meu estilo. Eita que essa é a parte mais difícil, juro. Além da grana escassa (maldita crise ou falta de sorte mesmo) demorei para perceber como me sinto bem quando visto algo. Eu já cedi a pressão de muita gente por muito tempo na hora de comprar uma roupa, mas ficando mais velha e trabalhando de casa (toda enfarinhada e achocolatada) optar por um estilo mais neutro fez todo o sentido pra mim. Já vinha cobiçando alguns looks da Dani Noce e as francesas sempre fizeram minha cabeça, mas demorei para entender que se eu cobiçava positivamente é porque isso tinha a ver comigo também. Claro que um detalhe ou outro mais chamativo é sempre necessário à vida e isso vai ter, mas se perceberam bem, minhas escolhas rodearam calças jeans, t-shirts, tons neutros e quase nada de salto. Como aqui em Curitiba faz um frio danado, blusões de lã folgadinhos estão fazendo a minha cabeça.

Confesso que esse é apenas o começo. Mais pra frente vou contando como foi cada uma das mudanças e adaptações que me foram necessárias. E convenhamos, mudar é gostoso mesmo que doa ou demore um pouco. Gostaram do post? Tem alguma dica pra me dar? Comentaê!

BEDA - rodapé